retornar

Rio 1º de Fevereiro de 1902

             Chico
Recebi tua carta de 30 do pp, na qual não me dizes se partes para Morrinhos hoje ou amanhã, como nos disseste.
Se ainda estiveres em Santos podes receber esta amanhã á noite, quando se completa o primeiro decenio da inauguração do nosso cáis.
Sinto deveras não estar ahi amanhã para juntos todos solemnisar-mos essa data que eu reputo auspiciosa para o Commercio e navegação, que se serve do porto de Santos e, que graças as novas obras poude nesse periodo, se desenvolver, acompanhando o desenvolvimento do prospero Estado de S. Paulo.
Quanto a nossa Compa, o resultado é animador e nos deixa antever um futuro invejavel, como se vê da inclusa nota.
O caezinho a cujo costado atracou o vapor Nasmith em 2 de fevereiro de 1892 e, que no primeiro decenio que se completa amanhã, já prestou serviços de monta, fará de Santos a primeira praça commercial da America do Sul, e da C.D. de S. a primeira empresa em renda.
Tendo sido tu um dos principaes elementos na constituição e execução desse futuro colosso, sinto, como já disse, não estar ahi para dar em pessoa o abraço que te envio e que é a manifestação do meo reconhecimento ao amigo e dedicado companheiro.
Se ahi estivessemos juntos o dia seria de festa na familia do Cáis, da qual a tua é magna parte, pelo que abraço a todos por ser teo.

Amo Certo

C. Graffrée

 

Obs. Parece que Morrinhos era uma grande fazenda de propriedade das Docas, em Botucatu, SP, que fornecia madeira para a construção da Cia Docas de Santos.